MAS

MAS

Posted by colobas on

Fonte: https://www.europeias.mas.org.pt/manifesto-eleitoral-do-mas

TRAVAR OS PRIVILÉGIOS DAS ELITES
DEFENDER OS DIREITOS DE QUEM TRABALHA

Os maiores 26 multimilionários do mundo detêm tantos recursos quanto 50% da população mundial. Os acordos e tratados europeus não combatem a desigualdade, a corrupção, a especulação financeira, as dívidas públicas ilegítimas ou a “engenharia” fiscal ao serviço das fortunas de banqueiros e grandes empresários. A banca é salva à custa da destruição dos salários, dos direitos laborais e democráticos, dos serviços públicos e das PME.

HÁ ALTERNATIVAS

  • Tecto máximo para os rendimentos das administrações dos bancos e grandes empresas
  • Salário mínimo europeu de 900€
  • Taxar as grandes fortunas em 70% para baixar os impostos sobre o trabalho, o consumo e as PME
  • Fim das ETT
  • Horário máximo europeu de 35h semanais para atingir o pleno emprego
  • Nem mais 1€ público para a banca privada
  • Renacionalização de todos os sectores estratégicos, começando pela banca, para controlar preços e o investimento nacional
FIM DA VIOLÊNCIA SOBRE AS MULHERES, IMIGRANTES, ETNIAS E LGBT

Queremos construir uma sociedade livre da violência sobre as mulheres, etnias, imigrantes e as LGBT. Uma sociedade com trabalho de qualidade, salários dignos e garantia de acesso aos serviços públicos para todos e todas. A ingerência da UE e dos EUA, de Trump, em vários pontos do globo provoca instabilidade e guerra, causando a morte e deslocação de milhões de seres humanos, potenciando a acção de organizações terroristas e de extrema-direita.

HÁ ALTERNATIVAS

  • É preciso transformar a política de défice 0% numa política de violência zero
  • Penas mais duras e efectivas para agressores machistas, racistas e LGBTfóbicos
  • Fim da NATO e da Europa-Fortaleza
  • Fim de todos os “campos de detenção”
  • Ninguém é ilegal, direito irrestrito de asilo
O CAPITALISMO DESTRÓI O PLANETA
TRANSIÇÃO ENERGÉTICA, JÁ!

Precisamos de um sistema económico cuja principal preocupação seja a sustentabilidade ambiental. O capitalismo já demonstrou ser incapaz de o fazer, pois a economia mundial é controlada pelas grandes indústrias automóvel, energética, petrolífera e bancos, cujas fortunas estão dependentes do contínuo consumo de combustíveis fósseis.

HÁ ALTERNATIVAS

  • Nacionalização das grandes indústrias energéticas, petrolíferas e automóvel para investir numa total transição energética até 2035
  • Criação de milhões de empregos em sectores ambientalmente sustentáveis
  • Investimento em transportes colectivos públicos, acessíveis e de qualidade
TRAVAR A EXTREMA-DIREITA E O NEOFASCISMO

A solução para a crise, a desigualdade, a violência e a crise ambiental não virá da direita, nem da extrema-direita. Trump, Bolsonaro, Le Pen, Salvini ou Órban são inimigos do povo e têm o objectivo de aumentar a desigualdade, a violência e a opressão sobre quem trabalha. A extrema-direita combate-se com unidade das forças políticas, sociais e sindicais que representam os interesses de quem vive do seu trabalho.

HÁ ALTERNATIVAS

  • Unidade internacional contra a extrema-direita e o neofascismo!
  • Apelamos a toda a esquerda europeia, sobretudo aos seus maiores representantes, como Podemos, Syriza, Corbyn, Melenchon, Bloco de Esquerda e PCP, assim como as principais organizações sindicais e restantes movimentos sociais, a convocarem um dia de luta europeu contra a extrema-direita e o neofascismo!
POR UMA EUROPA SEM MUROS NEM AUSTERIDADE

Uma alternativa séria a esta União Europeia (UE) só é possível através da total independência face às poderosas e corruptas elites europeias que nos têm governado. É por isso que a nossa lista é composta por trabalhadoras e trabalhadores, mulheres e homens, negras, negros e LGBT. É por isso que a nossa campanha é exclusivamente financiada pelos nossos militantes e apoiantes e é alimentada da confiança que depositamos nas lutas por dignas condições de vida e de trabalho.

Nem a UE de Merkel, Macron e Costa,
nem a UE da extrema-direita!
Faz falta uma esquerda anticapitalista no Parlamento Europeu.
O MAS pretende ser essa alternativa à esquerda.